10 passos ao atualizar sua iluminação para LED

Pensando em atualizar sua iluminação? Então aproveite para dar uma olhada sobre como enveredar com sucesso por esse caminho quando o assunto envolve a tecnologia LED.

 

  1. Provavelmente o problema mais comum seja a saída direcional, que influência na distribuição de luz. O LED é muito eficiente nesse quesito, porém, para quem está acostumado com uma configuração halógena, é bom saber que a quantidade de luz deverá ser muito bem calculada. Mesma coisa para quem quer partir das fluorescentes para o LED; um cálculo errado e as paredes terão sombras nos níveis mais altos.

 

  1. Usar antigos encaixes ou espaços reservados para as luminárias pode dar certo, mas pode também ser uma grande dor de cabeça. Vale lembrar que o LED, por ser direcional, vai entregar muito mais luminância a determinados pontos, podendo deixar outros praticamente na escuridão.

 

  1. A aparência de fria ou quente das luzes é medida em Kelvin. As incandescentes, por exemplo, têm 2700K, enquanto as halógenas são de 3200K. Se substituir qualquer uma dessas por LEDs, que tem 5000K, é bom lembrar que a aparência predominante será um de um ambiente mais frio e impessoal. Quanto mais alta a temperatura de cor, mais clara é a tonalidade de cor da luz.

 

  1. A capacidade de uma luz de renderizar cores é medida no índice de rendição de cor ou CRI. Como regra, a melhor opção é ter luzes com um CRI de 80, ou melhor ainda, 90. Como em LED os valores R9 (vermelho), não incluído na medição da CRI, certifique sempre o seu nível, evitando assim surpresas desagradáveis.

 

  1. LED e dimmers devem conversar. Diferente das lâmpadas incandescentes ou halógenas, que apresentam um padrão de carga resistiva para o dimmer, o LED pode confundi-lo, e às vezes ambos os conjuntos eletrônicos lutam pelo domínio, levando à insuficiência do componente. Informe-se e teste qualquer nova aquisição nesse sentido.

 

  1. Um grande número de novos fornecedores de iluminação LED entrou no mercado nos últimos anos. Vale a pena fazer uma auditoria deles. É uma marca respeitável? É membro de uma associação de comércio, tal como a associação da indústria de iluminação? Há quanto tempo está no mercado? Tem presença física no seu país?

 

  1. Garantia. O fornecedor concede garantia de seus produtos? Elas são abrangentes? Confira sempre as letras pequenas, afinal, é nelas que estão peculiaridades como limites de horas de uso contempladas na garantia, necessidade de registrar online e num período determinado de tempo a mesma, entre outros. Marcas respeitadas e conhecidas são transparentes.

 

  1. Tenha sempre em mente na hora da compra que é imprescindível o produto que almeja em LED ter passado por testes de classificação L70, ou seja, no que diz respeito a sua vida real e nominal.

 

  1. Olha sempre à frente. Tenha em mente que aquela luminária linda que escolheu pode sair de uma hora para outra do mercado e deixar toda sua decoração na mão. Para que isso não aconteça, pode-se comprar peças extras para reposição ou então optar por linhas mais neutra e abrangentes, que mesmo com a parada na produção de alguns modelos, adequa-se a possíveis mudanças.

 

  1. Com LEDs, o problema do brilho está de volta, especialmente em escritórios onde vezes entregam toda a sua luz na superfície da difusão da luminária. Confira de antemão o índice de brilho unificado, ou UGR, do produto escolhido, que deve sempre ser abaixo de 19.
Facebook Comments Box